domingo, 11 de setembro de 2011

O Buraco da Agulha - Ken Follett

  • Editora: Bestbolso
  • Autor: Ken Follett
  • Ano: 1978
  • Número de páginas: 434

A Segunda Guerra Mundial possui um imenso leque de histórias onde ela é o tema principal ou pelo menos o pano de fundo. Desde relatos reais até ficções das mais criativas, o assunto é sem dúvida um dos mais trabalhados, tanto na literatura quanto no cinema.
E não adianta, quase tudo que possui segunda guerra como tema acaba sendo sucesso. Isso por que parece que o assunto nunca se esgota. Do Holocausto à Política, de Hitler à Churchill, o tema rende! Eu sou uma apaixonada por tudo que envolve Segunda guerra Mundial, mas talvez justamente por já ter lido tanto, mas tanto sobre isso, que não é toda e qualquer história que consegue me envolver.

Ken Follett é considerado um dos principais escritores sobre espionagem durante a Segunda Guerra Mundial. De início esse tema - espionagem - não me gerou muito interesse. Mas como basta eu ver a maldita suástica na capa de um livro e eu já corro querer saber o que é, "O Buraco da Agulha" me chamou atenção, e resolvi comprar. E foi com magistral criatividade e com uma narrativa ágil, impossível de ficar cansado, que Ken Follett inventou uma história de espionagem que justifica, de forma ficcional, claro, o famoso dia D, dia em que os Aliados invadiram e bombardearam a Normandia, e que culminou na derrota da Alemanha.

Henry Faber ou Die Nadel, também conhecido como "Agulha", era o melhor espião nazista na Inglaterra. Quando sua vida se cruza com o de uma mulher cujo marido ficou paraplégico recentemente, Die Nadel precisa fazer de tudo para conseguir passar uma importantíssima informação para os Alemães, antes que os rumos da guerra se alterem totalmente. Quais são essas informações? Ele vai conseguir? Qual o papel dessa mulher em sua vida? Essas são respostas que você terá ao ler o livro.

Um suspense magistral, escrito de maneira que você não irá ler, mas "comer" o livro. Leitura rápida e agradável. Pra quem gosta do tema, um prato cheio, sem dúvida. O único detalhe que me desagradou um pouco do livro é que, justamente por ser uma trama ágil, os personagens não tem suas personalidades tão bem desenvolvidas na história. Achei que Die Nadel poderia ser muito mais trabalhado, o que tornaria o livro uma obra prima. Mas foi só isso. De resto, adorei. 

O Buraco da Agulha é considerada a obra prima de Ken Follett. Do autor já li dois livros, e estou neste momento lendo o terceiro. Posso com certeza afirmar que ele entrou na lista de meus autores favoritos.

O livro também possui uma adaptação cinematográfica, de mesmo nome, cujo papel de Die Nadel é de um atores mais perfeitos que existem, na minha opinião, Donald Sutherland. Ainda não assisti, mas ouvi dizer que é muito bom.

Li esse livro em fevereiro/2011, então por isso a resenha está meio resumidinha. Fiquei muito tempo sem postar no blog, mas tentarei aos poucos ir resenhando os livros que li nesse ano, ainda que seja de forma rápida.

É isso ai pessoal. 
Até a próxima.

2 comentários:

Nádia Godoy disse...

Como sempre, adoro a forma objetiva e clara com a qal vc escreve, é um estilo seu, característico, e por sinsal, perfeito apra resenhas...
Parece estremament interessante e deve ser uma leitura de tirar o fôlego a julgar pela form aocmo vc dvorou o livro!
Irei lê-lo.

Rubens disse...

Bela resenha,fiquei com mais vontade ainda de ler e será minha próxima leitura.

Postar um comentário