segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

A Sombra do Vento - Carlos Ruiz Zafon

  • Editora: Objetiva
  • Autor: CARLOS RUIZ ZAFON
  • Ano: 2001
  • Número de páginas: 399

    “Nós existimos enquanto alguém se lembra de nós.” (pág.143)


    Sabe aquele livro que te faz rir, chorar, sentir medo, raiva, ansiedade, tanta que você simplesmente não consegue parar de ler e que quando chega ao fim, fica aquele vazio, a típica "depressão pós livro"? Pois é, assim é o livro A Sombra do Vento, de Carlos Ruiz Zafón, que mistura todos os elementos necessários pra transformar uma simples leitura numa viagem maravilhosamente inesquecível. Um livro onde justamente o amor a literatura (que acredito ser a principal característica das obras de Zafón) se torna o ponto de partida pra essa história apaixonante.

    Ambientada em Barcelona na primeira metade do século XX, a história é narrada por Daniel Sempere, filho de um livreiro, que perdeu a mãe quando era pequeno e um belo dia descobre que não consegue mais lembrar de seu rosto. Mergulhamos em sua vida, em sua paixão adolescente por uma garota mais velha, em seu relacionamento com o pai, em suas amizades e em todos os seus sentimentos mais profundos. A história se inicia no dia em que seu pai lhe apresenta o Cemitério dos Livros Esquecidos, local onde livros são escondidos pra que nunca se percam e um dia possam novamente ser lidos por alguém que irá apreciá-los. Daniel escolhe ao acaso um livro chamado A Sombra do Vento, de um tal Julian Caráx que ele nunca havia ouvido falar. Querendo saber mais sobre o livro e seu autor, Daniel começa a investigar um pouco sobre a vida de Caráx e isso o leva a descobrir fatos estranhos e a mergulhar cada vez mais numa história que envolve amor, assassinato, ódio, vingança e muito mistério. Com a ajuda de Fermín, um mendigo que se tornou seu melhor amigo, Daniel acaba entrando tão de cabeça na história de Caráx que a vida de ambos começa a se mesclar e ele não consegue mais deixar tudo pra trás enquanto não descobrir o que afinal aconteceu com o escritor, tudo isso lidando ao mesmo tempo com um inspetor furioso, Fumero, com a irmã de seu melhor amigo, Bea, que passa a ter um papel inesperado em sua vida, e muitos outros personagens incríveis criados por Zafón. 

    Carlos Ruiz Zafón definitivamente sabe como narrar um livro de forma a prender o leitor até o fim. São diálogos irônicos, inteligentes e bem-humorados, momentos de muito suspense, de muito amor e amizade, personagens cativantes e 399 páginas que você devora de uma vez só.

    Dois períodos são narrados paralelamente: o da atualidade, que seria a vida de Daniel e sua aventura em busca de informações sobre Caráx, e o passado, ou seja, a história de vida de Julian Caráx e todos os mistérios que a envolvem. Daniel começa a se identificar sua própria vida com a de Julian e ver a forma como ambas se mesclam até chegarem num ponto único é fantástico.

    A amizade entre Fermín e Daniel é uma das coisas que mais gostei do livro, principalmente porque Fermín é um personagem esplêndido. O mendigo na realidade é um intelectual com um senso de humor excelente e os melhores diálogos de toda história são sem dúvida os que ele faz parte.

    Como já disse, A Sombra do Vento nos deixa um vazio quando chega ao fim. É como se Daniel, Fermín, Caráx e tantos outros personagens muito bem construídos por Zafón se tornassem parte de nossa vida e dizer 'adeus' se torna muito difícil. Pra aqueles tão apaixonados por ler quanto eu (cuja leitura não é apenas um mero hobbie, mas uma paixão verdadeira, algo essencial), o livro se torna ainda melhor, pois essa mesma paixão que possuímos também é compartilhada por personagens ao longo da história.

    Diferente de seu outro livro, "O Jogo do Anjo" (resenha aqui), 'A Sombra do Vento' não possui um final decepcionante. Pelo contrário. Zafón não deixa nenhum detalhe pra trás, tudo é devidamente resolvido e explicado nos levando a um final emocionante onde valores como amizade e lealdade se mostram essenciais.

    Um dos melhores que li em 2010, sem dúvida. Gostaria que Carlos Ruiz Zafón escrevesse mais, muito mais. Me apaixonei pela sua forma de escrita. Apenas para vocês terem uma noção, eu não costumo gostar de histórias de amor, porém os momentos de romance do livro me conquistaram. Dificilmente eu sinto medo quando leio um livro (o que diga-se de passagem é decepcionante), porém em certos momentos senti medo SIM. Ou seja, A Sombra do Vento é um livro capaz de conquistar qualquer tipo de leitor, independente do sexo, idade ou preferência de gênero literário.

    É isso ai pessoal, até a próxima :)

    8 comentários:

    Kel disse...

    Que resenha maravilhosa!! Estou louca para ler esse livro!! bjs...

    Eliane disse...

    Resenha deliciosa Marina. Você despertou em mim a vontade de conhecer esste autor. É mais um que vai para minha listinha (que está assustadoramente enorme!!)

    Beijo

    Eliane (Leituras de Eliane)

    Alex disse...

    Ótima resenha, Marina. Procurarei mais sobre o autor. Mais uma vez parabéns.

    Grande abraço.

    Lucas disse...

    Parabens pela resenha Mah, com certeza um livro que deve ser lido. Fiquei muito curioso em ler as obras de Zafon, tanto A Sombra do Vento como tambem O Jogo do Anjo, isso graças a sua resenha e nosso debate a respeito das obras.
    Ler suas resenhas me desperta um grande interesse em todos os livros que voce comenta, voce escreve muito bem e expoe exatamente a essencia dos livros. Te parabenizo pelo blog e pelo esforço de ler tantos livros bons e de conteudo em tao pouco tempo


    Amo voce, continue assim

    Vanvan disse...

    Tá aí um livro que li em uma sentada só, rsrs.
    Ele é simplesmente TUDOOO, eu procuro sempre recomendá-lo a meus amigos (as).

    Beijos.

    http://balaiodelivros.blogspot.com/

    Beatriz de Brito disse...

    Um dos meus leitores preferidos.

    Beatriz de Brito disse...

    escritores*

    Anônimo disse...

    Estou lendo O prisioneiro do céu e a correção passou despercebida pela grafia de "chícara" na página 147.
    Vergonhoso pra editora!

    Postar um comentário