segunda-feira, 27 de setembro de 2010

O Dia do Curinga - Jostein Gaarder

  • Editora: Companhia das Letras
  • Autor: JOSTEIN GAARDER
  • Ano: 1996
  • Número de páginas: 384

    Sinose: "Você já pensou que num baralho existem muitas cartas de copas e de ouros, outras tantas de espadas e de paus, mas que existe apenas um curinga?", pergunta à sua mãe certa vez a jovem protagonista de O mundo de Sofia.
    Esse é o ponto de partida deste outro livro de Jostein Gaarder, a história de um garoto chamado Hans-Thomas e seu pai, que cruzam a Europa, da Noruega à Grécia, à procura da mulher que os deixou oito anos antes. No meio da viagem, um livro misterioso desencadeia uma narrativa paralela, em que mitos gregos, maldições de família, náufragos e cartas de baralho que ganham vida transformam a viagem de Hans-Thomas numa autêntica iniciação à busca do conhecimento - ou à filosofia.
    O Dia do Curinga
    é a história de muitas viagens fantásticas que se entrelaçam numa viagem única e ainda mais fantástica - e que só pode ser feita por um grande aventureiro: o leitor.
    Título Altamente Recomendável pela Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil - FNLIJ 1996, categoria tradução/jovem

    Existem livros que são particularmente cativantes, do tipo que você nunca vai esquecer. Do famoso autor de "O Mundo de Sofia", Jostein Gaarder, o livro "O Dia do Curinga" é daqueles que você definitivamente se apaixona. Aquele que você põe na sua mesinha de cabeceira e diz: 'esse é especial!'.

    Somos transportados por uma incrível viagem juntamente com pai e filho. Uma viagem recheada de momentos de reflexão, de lugares diferentes e de muitas curiosidades. Ambos estavam indo à Grécia em busca de Anita, mãe de Hans-Thomas, que havia os deixado 8 anos atrás para "se encontrar" e que estava trabalhando como modelo na capital grega. Uma história simples, aparentemente. E é sim, muito simples, mas ao mesmo tempo tão deliciosamente complexa que consegue nos prender tal qual um super suspense cheio de reviravoltas faria.

    Em meio a viagem de Hans-Thomas e pai somos transportados pra um outro mundo, graças a um livrinho minúsculo que o garoto ganhou de um padeiro em Dorf. Nesse livrinho, que pra ler ele necessitava de uma lupa que ganhou de um misterioso anão num posto de gasolina, Hans-Thomas descobre uma história que foi passada por gerações pra jamais cair no esquecimento.

    Nessa histórinha conhecemos cartas de baralhos que se tornam anões, bébidas púrpuras que contém diversos gostos e sensações e um Curinga inconformado em não ter explicações sobre sua existência. Aos poucos, Hans-Thomas começa a perceber certa ligação entre o que é narrado no livrinho e sua própria vida.

    Juntamente com seu pai ele passa toda a viagem questionando o mundo, a vida, as pessoas e as crenças. E é justamente por questionar tudo, que ambos se consideram 'Curingas'. O Curinga é aquele diferente, aquele que não se conforma com tudo que lhe é dito, aquele que vive em busca de aut-conhecimento.

    ("Um curinga é um pequeno bobo da corte; uma figura diferente de todas as outras. Não é nem de paus, nem de ouros, nem de copas e nem de espadas. Não é oito, nem nove, nem rei, nem valete. É um caso à parte; uma carta sem relação com as outras. Ele está no mesmo monte das outras cartas, mas aquele não é seu lugar. Por isso pode ser separado do monte sem que ninguém sinta falta dele." - pág 76)

    "O Dia do Curinga"
    nos faz refletir sobre nossa própria existência. Nos faz parar pra pensar no valor de nossas vidas, no quão viver pode ser comparado a uma incrível aventura e no quanto as pessoas ignoram tudo isso. Pra grande maioria é muito mais divertido imaginar criaturas sobrenaturais, vidas em outros planetas, do que se dar conta de como nosso próprio mundo é maravilhoso e absurdamente curioso. Tal qual as cartas de baralho que se transformam em anões, do livrinho que Hans-Thomas estava lendo, muitos seres humanos apenas se conformam com sua existência, sem querer explorar a origem das coisas. Preferem viver no escuro. E o Curinga se diferencia por gostar de explorar e descobrir. Um Curinga é como um filósofo, aquele que busca o conhecimento.

    ("Vivemos nossas vidas num incrível mundo de aventuras, pensei. Apesar disso, a grande maioria das pessoas considera tudo 'normal'. Em compensação, vivem em busca de algo fora do normal: anjos ou então marcianos. E isso se explica pelo simples fato de que elas não consideram um enigma o mundo em que vivem. Para mim a coisa era completamente diferente. Para mim, o mundo era um sonho muito estranho, e eu vivia em busca de uma explicação racional qualquer para esse sonho. - Hans-Thomas, pág. 164)

    Pra muitos o tema "filosofia" pode ser considerado chato, mas o livro é narrado de uma forma tão perfeita que é impossível considerá-lo chato ou entediante. Muitos diálogos são ricos em informação e tudo de forma muito sútil e gostosa. Sem explicações longas e maçantes, pelo contrário, tudo é narrado com simples diálogos entre pai e filho buscando respostas pra vida.

    Se você não leu essa obra perfeita, trate JÁ de colocá-la na sua listinha de leitura obrigatória. Jostein Gaarder nos faz mergulhar numa história onde ao mesmo tempo que você não vê a hora de chegar ao fim, você também se sente triste por saber que logo aquela viagem acabará. Não li "O Mundo de Sofia" (e me sinto um ET por isso), mas como o autor me cativou profundamente, tratarei de lê-lo o mais breve possível.

    Um livro que nos ensina a
    buscar sempre o conhecimento, viver intensamente e a amar cada momento acima de tudo, pois cada um é único.
    Eu me considero um Curinga, e você? ;)
    ("Mas tenho certeza absoluta de que um curinga continua perambulando pelo mundo. Ele se encarregará de não permitir que o mundo se acomode. A qualquer momento, e em qualquer parte, pode aparecer um pequeno bobo da corte usando um barrete e uma roupa cheia de guizos tintilantes. Ele nos olhará nos olhos e nos perguntará: 'Quem somos? De onde viemos?'" - pág. 378)

    À todos que comentam e lêem o blog, muito obrigada, de verdade. Sem vocês dificilmente, em meio à correria que tem sido minha vida, eu teria ânimo pra continuar postando. Desculpem se os posts não estão muito frequentes, mas estou em meio a minha semana infernal (semana de provas da faculdade). Pra arrumar tempinho pra ler estou tendo que fazer malabarismos. Mas assim que toda essa doidera passar, prometo tentar postar com mais frequência. Obrigada e até o próximo livro :)

6 comentários:

Lucas disse...

Exelente post Marina, parabens pelo blog, pelo seu talento, continue assim que voce chega longe. Força de vontade, nao desista, persista!!!
Um exelente livro que com certeza fara parte da minha estante, me interesso muito por livros que no fundo possuem grandes ensinamentos, ensinamentos sobre a vida,sobre nos mesmos. Livros que parecem simples, sem essencia para alguns, mas sao de grande importancia para os que sabem observar os aspectos importantes escondidos em seu conteudo, conteudo indispensavel que nos faz refletir sobre nos mesmos, sobre nossas atitudes e nossas escolhas. Livros que nos mostram a maneira de encarar a vida, que ajudam a corrigir nossos pontos fracos e fortalecer os pontos fortes

Parabens, que voce cresça cada vez mais


amo voce

Lucas

Laura disse...

Já estou me acostumando a só ler coisas boas por aqui! Adorei o post Marina. Não deixe de ler "O Mundo de Sofia", "Vita Brevis" e "Através do espelho", também do Joisten. São fascinantes! E "O Dia do Curinga" é realmente um livro especial... não canso de ler e reler!

Beijo!

Alex disse...

Creio que esse livro é ótimo para desatar alguns nós do senso comum. É inteligente sem ser pedante. Literário sem ser chato. No qual diversão e reflexão se misturam e se completam harmoniosamente.
Mais uma vez a parabenizo pela resenha e pela dedicação a leitura e ao conhecimento, Marina.

Um grande abraço.

Gabriel disse...

muito bom!!

straawberryzando disse...

Uau! Mas que sorte eu ter achado teu blog! =)
Gostei mesmo! Eu faço posts parecidos com os seus,digo,sobre o que leio,etc...hahaha,e estou lendo este livro atualmente! Muito bom,apesar de ser suspeita,já que "O Mundo de Sofia" fez com que eu me apaixonasse pelas obras do Gaarder!

Nossa,legal mesmo,continue postando viu! ^^ até!

FifiDiamond disse...

Eu li esse livro com 13 anos ( e tenho 14 agora hahaha), o livro é muito bom e me marcou muito.. Vale a pena ler.

Postar um comentário