segunda-feira, 17 de setembro de 2012

A Menina e o Trem, por Neusa Malandrim

Mais uma vez com as produções dos nossos queridos membros do Clube do Livro, hoje um texto de Neusa Malandrim. 


-------------------------------------------------------------------------------------

A menina e o trem

A menina interiorana sentiu o coração saltar de alegria quando soube que iria, com seu pai e sua irmã caçula, de trem, para uma cidade vizinha, na casa de parentes.  Um frenesi começou a tomar conta do ambiente. Iria, pela primeira vez, para uma cidade de porte bem maior do que a que morava.

Sua mãe, uma costureira de alfaiataria, sempre arranjava um tempo para costurar vestidos dentro da última moda e tendências destes anos sessenta, para a menina e sua única irmã.
Elas eram muito ligadas pela pouca distancia entre as idades, apenas um intervalo de dois anos.  A mãe quando confeccionava vestidos, era sempre em dupla, um para cada uma das filhas. Via de regra o modelo era o mesmo, diferenciando-se apenas na estamparia ou na cor.

Para esta viagem, em especial, ganharam vestidos estampados de bolas que era a última moda. A menina ficou com o tecido marrom com bolas brancas e a irmã com o amarelo também com bolas brancas.

 Mede, corta, costura, experimenta, ajusta, marca a barra e finalmente o traje da viajem. Era um lindo vestido ajustado na parte de cima, cortado na cintura com saia godê. Tinha vivos brancos na gola careca, nas cavas sem mangas e na barra da saia. Na cintura, um cinto do mesmo tecido do vestido ladeado por vivo branco com uma grande fivela branca redonda.  O da irmã, é claro, era absolutamente do mesmo modelo. A menina estava crescendo e ao se olhar no espelho com aquele vestido levou um susto, viu-se moça.

No dia do embarque, o pai levava uma filha em cada mão. A pequena cidade onde moravam possuía uma estação ferroviária, porém o trem fazia uma parada próxima a casa deles. Ficaram esperando ali, ao lado dos trilhos, por um tempo que insistia em não progredir. Porque será que quanto menos idade temos, mais o tempo demora a passar? E estavam ali, parados. Pai entre filhas. A menina, muito ansiosa, aguardando o início da sua primeira viagem de trem para uma cidade de médio porte.

Finalmente, o trem chegou majestoso, espalhando fumaça por entre eles e foi parando lentamente. Embarcaram e se acomodaram em poltronas confortáveis. O trem seguiu para o seu destino. A menina observava cada detalhe. Tinha a impressão, ao olhar pela janela, de que era a paisagem lá fora que corria e não o trem. O bilheteiro passou, se equilibrando entre as poltronas, com um alicate estranho e muito engraçado. Ele pegava o bilhete da passagem, pessoa por pessoa, e com o alicate estranho e engraçado, fazia vários furos e a devolvia para os passageiros. Passou, também, o vendedor de balas com um tabuleiro pendurado, por uma larga fita, em volta do pescoço. O trem ia devagar e parecia que não chegariam nunca ao destino.

Toda demora gera impaciência e era tal de levanta e senta e puxa o vestido para baixo, preocupada com o modo de sentar que a mãe recomendara: “menina, ao se sentar mantenha os joelhos bem juntinhos e cubra-os com o vestido, pois é assim que se sentam as moças”. Era um dia bastante quente, de primavera, e a menina suava.

Quando finalmente chegaram ao seu destino, a cidade atordoou a menina com tantos carros, tantos sinaleiros, tanta gente apressada na faixa de pedestre, que acabara de conhecer.

A menina notou certos olhares para sua pessoa e pensou que estava bonita e agradava.
Finalmente chegaram à casa da tia Maria que os recepcionou com um almoço maravilhoso e com conversas de gente grande pouco interessantes para a menina.

Na hora da partida a menina foi ao banheiro e se olhou num espelho de corpo inteiro e quase teve um ataque quando viu que seu vestido godê tinha pendido na parte de trás. Aqui cabe um parênteses. O corte godê tende a pender, isto é, criar um bico de um lado.  E o tal bico se formou na parte de trás do vestido e nesta altura já pendia para quase o meio da panturrilha.

A menina, que se acreditava bonita e bem vestida, se achou feira e ridícula e ficou preocupada com a volta. Não tinha como disfarçar aquele bico, parecia a calda de um vestido de noiva encurtada. Toda a alegria da ida se tornou uma tortura na volta. Começando pelo percurso de rua que tinha muitos olhares e ela sabia que estava feia e era pelo ridículo rabo de noiva encurtado.  A viajem pareceu durar o dobro do tempo da ida.  Depois de se acomodar na poltrona do trem, ela não queria mais se levantar, segurou, com determinação de monge, a vontade de ir ao banheiro até não poder mais, mas numa longa viagem, fica quase impossível aguentar muito e quando se dirigiu, pelo corredor, até o banheiro, parecia que todos só tinham olhar para o bendito e ridículo rabo do godê.

Chegou a sua casa, finalmente e, enfurecida, mostrou para a mãe que, analisou e calmamente explicou que este corte tinha esse problema, mas que ela resolveria. Não adiantaria de nada porque a viagem já tinha sido estragada pelo ridículo e maldito rabo do godê.  A mãe da menina arrumou o vestido que ficou pendurado no cabide do guarda roupa da menina até o ano seguinte quando, graças a Deus, não servia mais para a menina em crescimento.

5 comentários:

Lais Ribeiro disse...

Essa reunião com as apresentações de nossas produções foi ótima. É interessante ver como um texto fala muito sobre quem o escreveu. A Neusa está de parabéns, ficou muito bom.

Anônimo disse...

vc esta de parabéns, gostei muito

Anônimo disse...

boa iniciativa do clube .

António Jesus Batalha disse...

Passei e encontrei o seu blog, estive a ver e ler algumas coisas, não li muito, porque espero voltar mais algumas vezes,
mas deu para ver a sua dedicação e sempre a prendemos ao ler blogs como o seu.
Se me der a honra de visitar e ler algumas coisas no Peregrino e servo ficarei radiante,e se desejar fazer parte de meus amigos virtuais, esteja à vontade, irei retribuir.
Mas por favor não se sinta coagido, siga apenas se desejar. deixo a benção de Deus.
António.
http://peregrinoeservoantoniobatalha.blogspot.pt/

blockchain support disse...

What if in the midst of work you get Blockchain Support Number
unexpected issues related to two-factor authentication in Blockchain? What if your 2fa unable to work accurately? Well, under such situations you need not get bewildered as your issues will be resolved by making a call. You can dial Blockchain helpdesk number at 1-800-665-6722 and get terminal remedies from the professionals who are experienced and capable. The professionals are always there to supervise you at every step.
Blockchain Number
Blockchain Contact Number
Blockchain Toll Free Number
Blockchain Support Number
Blockchain Phone Number
Blockchain Helpline number
Blockchain Support Phone number
Blockchain Customer Support
Blockchain Customer Service
Blockchain Customer Service Number
Blockchain Wallet phone Number

Postar um comentário